sábado, 11 de dezembro de 2010

O natal.

Eu estava em uma reunião, quando ouvi uma mulher dizer a outra: "Se eu pudesse dormia dia dez de dezembro e só acordava dia 3 de janeiro. Odeio o Natal"
Palavras tristes mas que sugerem compreensão. Eu não sei qual marca o natal deixou nela, mas sua história com este momento a deprimi.

Conheço muita gente que não gosta do natal, a maioria das vezes tem a ver com a família, ou com sua ausência.

Tive fases com meus natais.
Quando era criança e adolescente, o natal tinha até cheiro... tinha gosto, tinha o ar do natal... Cresci na igreja e era tempo de treinar músicas, peças teatrais, dia da ceia na igreja, ficar depois do culto ensaiando, tudo ainda feito e revisado detalhadamente por minha mãe, o que deixava tudo ainda mais gostoso.

As vezes, vinham os amigos.

Ficou guardado no coração e na memória. Bons tempos...
Minha mãe sempre enfeitava a casa (ela faz isso até hoje).E ela sempre deixava o presente da gente na nossa cama, de 24 para 25. Sempre.
Não tenho como pensar no natal de forma triste.

Quando me casei, eu era uma criança que pensava que era mulher, e em 13 anos de casada apenas o primeiro natal foi aquele tradicional, de filme americano. Só faltou a neve...

Nos anos seguintes, eu tambem festejava, mas o esposo bebia, e eu não tinha mais minha tradição feliz, o que me machucava...
Quando veio meu filho, tentei dar a ele o que minha mãe e meu pai sempre deram, mas não era igual, porque havia  cenas que meu natal não podia conceber.

Depois que me separei, passei a viajar com Vini para hotel fazenda, desses que vem com Papai Noel, Ceia de Natal, presentinhos, árvores e iluminação... Eu gosto, porque ali a gente fica junto e ele se diverte, e acho que isso dará a ele boas lembranças, porque é um hotel que vamos sempre e ele já tem seus amigos.
Esse ano-2010, to um pouco triste, porque talvez não possa ir ao hotel... Uma pena...

Minha mãe continua fazendo peças, ceias e eventos. Uma mulher constante e que não se abala.
Mas tem um presente que Deus me deu que me alegra muito todo natal:
São as crianças da Creche, sua expectativa, sua alegria e emoção. Elas simplesmente ACREDITAM.
Elas vivem o momento da festa com tanta energia, com olhos brilhantes, sorrisos inteiros e ver aqueles rostinhos felizes me dá uma mega carga de energia e eu me sinto realizada na minha profissão, por fazer parte de um mundo de encanto.
Sei que na casa de muitos pequenos, o natal não é feliz, mas na Creche damos a eles nosso amor, carinho e cada abraço e beijinho vale muito!!!!!!

Natal marca sim e muito.

Não sinto mais cheiro de natal, mas está misturado ao meu sangue o poder da influência desta data.
E eu gosto de presentear, de enviar cartinhas e cartões, iluminar minha casa com pisca pisca e abraçar as pessoas.
Consideramos o nascimento de Jesus.
Sua vida foi exemplo de fé, amor, misericórdia, cura, paz e perdão.

Um bom natal a todos.
Que possamos equilibrar nossas emoções e saber agradecer as  boas coisas e boas pessoas de nossa vida.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Oficializados, oficializadores, ofícios ...

Eu  me lembro com nitidez, foi em 1995, minha mãe comprou um vestido branco. Eu tinha o cabelo curtinho e entre cadernos da faculdade e diários de poesia, eu me pegava a decorar os papéis com corações. Coisa gostosa que adolescente faz. Ainda fazem?
Meu pai colocou o terno, minha mãe não esqueceu o salto alto, Nesta época, papai e mamãe eram casados.

Recordo que eu ficava com medo de chegar antes dele no cartório, lá na Tijuca.
Mas deu tudo certo. Achei um absurdo tanta gente casando no mesmo dia que eu. Fila pra casar?! -faz uma pausa na história, eue eu vou repetir: Fila pra casar!!!!! (agora com um pouco mais de exclamações!) _ voltando aqui à emoção do casamento no cartório... O coração acelerado, eu me sentindo mulher nos altos e maduros e bem vividos 18 anos (claro que não!), mas o coração batia forte, apaixonado, envolvido, enternecido, sonhador e blá, blá, blá... Olhar apaixonado, beijinho, risinho do canto da boca, mõas trêmulas esperando com toda a ansiedade do mundo escrever meu nome novo, dizer SIM logo. Mas a fila era imensa... Todo mundo fazia a mesma coisa, o juiz mais parecia qualquer um... mas tudo bem, ele tinha o poder de mudar a minha vida (?), de me transformar de menina adolescente em uma mulher casada e feliz. De repente aquela caneta era uma varinha de condão, e ele era um mágico! _mentira, era nada!, tava era de saco cheio daquele monte de gente de salto alto!- Ah, eu também ficaria, se fosse hoje....
Sinos tocaram, sinos invisíveis e num piscar de olhos eu me tornei a Senhora Rute Albanita da Silva Lopes Ferreira. O Lopes Ferreira era meu mais novo nome, que lindo!!!! Eu adorava escrever: Rute Albaita da Silva LOPES FERREIRA, eu estava carregando ali, na minha certidão, minha nova identidade o nome do meu ESPOSO, do meu homem, daquele que viveria comigo até a gente ficar bem velhinho mesmo, caminhando juntos pelo calçadão de Copacabana... Bem que o juiz disse que não era mais obrigado ter o nome do companheiro (sábio senhor...), mas eu  queria tuuudoooo que aquele casamento apaixonado poderia me oferecer e nossa, lopes ferreira era o mais lindo de todos os nomes deste mundo inteiro!
Depois do almoço lá em casa, pra sogra, cunhada, cunhado, irmão, tia, primo, cachorro, papagaio fui mostrar minhas lingeries de lua-de-mel pra minha cunhada ela ficou escandalizada!rs Peças muito eróticas(ÓH!),- coisa de adolescente.
Tudo bem, o casamento, MEGA casamento foi lá no Clube de Copacabana, orquestrado minuciosamnete, detalhadamente por minha mãe, coral, damas, cantores, poesias, aff! eternoooo, e eu doida pra ir logo pra lua-de-mel (segredo básico: Eu era virgem!). Tudo saiu certo, olhar romântico, gente que me abraçava, me apertava, até que decidi tirar aquela anágua de baiana, que não me deixava passar por entre as mesas para falar com todo mundo. Fala sério:Coisa chata esse negócio de beijar todos os convidados, acho que é por isso que gente rica convida 50 pessoas pros casórios. Enfim, vamos lá, a única coisa que deu errado, era que minha sogra veio discutir no final do casamento que ela não viu e nem comeu dos 500 docinhos que trouxe pra ajudar! Pode rir!
Lua de mel perfeita, eu era magrinha (essa lembrança dói mais. Como casamento engorda a gente!) fazia amor um monte de vezes, e vivi intensamente aquilo  que tem que ser lua de mel...
Resumindo, fui casada 13 anos, e o bolo não saiu bem como a receita.
O melhor de tudo foi que tivemos um belo menino, que é minha inspiração e força. E ser mãe, é tudo de melhor nesta vida.
Depois de muitos conflitos, brigas, e desrespeito total, que cresceram com os anos, e aumentaram com meus quilos, depois de procurar a psicóloga gratuita (um cartaz que fica colado no onibus 474 ) por que já tava querendo morrer, depois de ler 10000000000 livros de auto-ajuda (ajudou, depois das 10000000000 vezes que li) resolvi enfim que meu romance (?) tinha acabado, e não era a morte que nos separava... mas tava quase lá!

Aí vem a parte ofício, oficilializadores, defensoria, processos, e nervos a flor da pele.
A gente podia fazer tudo por e-mail, por que assumir, assinar e brigar diante de pessoas que você nunca viu antes, é humilhante, doloroso, e muitas vezes desejei desaparecer pra não enfrentar, mas enfrentei.
Processo de visitação
processo de guarda (minha!)
processo de pensão alimentícia

E meu coração arde até pra escrever, e ainda choro. Choro por frustração, por não ter dado certo mesmo, por meu filho ter que passar por tantas situações...

E... ele não pagou a pensão. E... já tem mais de um ano.
Conflitei muito, antes de procurar a defensoria (fui de rabo de cavalo, calça jeans e tenis) e triste.
Meu filho sabe de tudo, e creio que ele não pode crescer pensando que se tiver um filho, será apenas uma opção ajudar em seu sustento e educação. É responsabilidade, consciência, paternidade, e amor.E minha posição, dura e dolorida, é também um ato de educar.

Sei que não será fácil, apenas dei entrada e agora é questão de esperar...
Não gosto de expor meu ex marido à prisão, mas tentei todos os meios pacíficos antes, conversei, mandei e-mail, mensagem pro celular...

Meu próximo passo é tirar o Lopes Ferreira, ainda é meu.

Contudo, mesmo não sendo a melhor das histórias, e ser ao mesmo tempo apenas mais uma entre milhares de histórias, eu fiz o que tinha que ser feito, me casei por amor, me separei pra manter a dignidade, e a pensão é sobre responsabilidade.

Pode até parecer que não, mas eu continuo acreditando em amor.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

dia de coração apertado

Sou entre tantas, uma mulher que trabalha e mantem sua casa. Sou "A chefe da família."

Meu ex marido pai de meu filho é daqueles que não acha que pensão seja algo a cumprir, e embora já o tenha ameaçado, o conflito sempre me pega na hora H, e eu deixo ele cometer a injustica.
Fico pensando no que meu filho vai achar... Conflitos.

O que mantem meu coração em frangalhos hoje é a vontade de me encontrar com a sorte logo ali, quando virar a rua. To desejando um telefonema que mude minha sorte, e que me faça flutuar...

Enquanto não acontece, vou arcando com todas as responsabilidades que decidi ter. Foi opção e não me arrependo.
Mas é que tem dia que a mochila fica mais pesada, a subida mais íngrime e o corpo deseja um lugar pra sentar e os olhos uma vista pra olhar...
Hoje to cansada. Não sei se  quero colo, ou se quero solidão.
Contas e contas em cima da mesa.
Um menino lindo feito por mim, abrigado por mim, amado por mim me espera, me olha... Meu filho..
Eu quero paz, a paz do dia-a-dia
Eu quero a amizade tranquila
Eu quero meu trabalho, o concurso que passei, que esperei 3 anos para ser chamada...
Eu quero minha vida, minha paz de volta

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Sou mais

Sou  mais que a pele que me reveste, mais que os cabelos que escovo e as unhas que pinto.


Minha essência, a vida que lateja em mim é mais que as impressões positivas ou negativas que causo.


Minha alma eterna, secreto quarto, universo aprisionado grita.


Sou anos da minha existência, sou história do que lembro e esqueço, sou os pedaços costurados daquilo que foi partido.


Sou toda olhos captando o externo, transformando em sangue, em pulsação aquilo que enxergo, a meu modo, segundo minha própria e desconstruída filosofia.


Nascida e criada para a felicidade, porém surpreendida pelas escolhas,visto que sem ser bruxa ou fada optei por vazios... Sempre digo, como saberia?Que bola cristalina poderia eu ter consultado?


E. se as surpresas trazem buracos de incompreensão, também trazem êxtase;


E assim, com flashes que resgatam a vida e a sobrevida, consigo segurar a enorme colcha de retalhos que vou tecendo. 

É uma bela colcha recortada por verdades e mentiras, prazer e dor, perguntas e caos, sorrisos, amigos e amores. Tateio a colcha de diferentes cores, azul celeste, vermelho sangue, branco de papel, transparente feito o vento.


Não é como um livro de páginas rasgadas, pois não fujo do que construí, destruí, reconstrui e desconstrui: Valores, ética, medo, fé, amor, conceitos, crenças, raiva . 
- Fragilidade, Fé e Força.


Sou mais que a pele morena.


Talvez se olhar bem dentro dos meus olhos, consiga perceber que há alguém que  lá de dentro espia... É o meu espiríto, aquele que me torna quem  sou, quem me acorda no meio da noite para  expressar e expor.


E seu meu consciente e subconsciente guerreiam por aquilo que sou e por aquilo que mostro, percebo que a verdade da autenticidade acaba por ser o objetivo do conflito.

Sou os cortes da colcha  costurada. Sou elemento de traços . Sou as histórias de anos vividos. Sou o amigo que amei, o amigo que morreu, o amigo que ri, o amigo que traiu. 

Sou a poesia do amor que sonhei, sou o amor que à outra amou, sou o amor que refez, sou o extase do amor, sou o abandono do amor, sou o amor. 

Sou minha famíia que me ensinou, sou um tanto de meu pai e outro tanto de minha mãe, sou o sorriso do meu filho, sou sua bronquite, sou seus sonhos, seu medo, sua rara beleza, sou a paz de seu sorriso, também sou brinquedo e brincadeira, sou livros que li, poemas que senti, poesias que escrevi e rasguei. 

Sou as lágrimas que nesse rastro derramei.
Sou Diamantina, Belo Horizonte, Sete Lagoas, Sou cheiro de praia, gosto de sal, sou carioca, sou Rio de janeiro.

Sou saudade,sou música, tango, soul, jazz, pop, rock, samba, vida, solidão, alegria, medo, verdades e misérias...

Sou de pó e cinza, sou construção, desconstrução e reconstrução.


Minha colcha não está completa. 
Muito sonho pra sonhar, vida pra viver, lugares pra conhecer. 

Tapeio o medo das perdas, supero as crises, fazendo-as apenas cicatrizes, recupero-me dos maus resultados.
Prossigo.


A maquiagem dos meus olhos, a roupa que visto, sapatos que calço, as unhas vermelhas, meu modo de andar seguramente são apenas uma parte de mim, menor parte,pois sou um universo de fatos e escolhas, uma eternidade de sonhos e alegrias, sou a experriência e a inocência...


Sou Rute Albanita

terça-feira, 3 de agosto de 2010

DOAÇÃO DE ORGÃOS- Compartilhando momentos - preces- emoção- APELO A VIDA

Dia 03 de agosto de 2010


8:30 h. -
Hoje as 3 da manhã minha mãe me ligou: “Rute, preciso de você. O fígado do André chegou, ele precisa estar no hospital as 6h. Perdi os meus documentos.”

Foram essas as palavras.
...
Flashback...

André é meu padastro. Ele fez um transplante de fígado em junho do ano passado. Infelizmente, a artéria biliar fechou, trazendo a necessidade de um novo e muito esperado transplante. A boa notícia veio nesta madrugada.


A vida, a sobrevida, o coração batendo, a respiração, o fio da vida ou a vida por um fio...

O primeiro transplante do André fez com que eu repensasse a vida .
Sinceramente, antes de participar deste complexo momento, não tinha certeza sobre doação de orgãos.
Doar orgãos é um ato de amor.
A doação de orgãos é a beleza paupável do ser humano.
Doar orgãos de um ente querido em um momento de dor é a demonstração da essência divina no humano
Não tenho um til de dúvidas. Sou doadora.
Sempre pela Vida, a favor da Vida.

Estou neste momento sentada na escadaria do terceiro andar do prédio central do hospital de Bonsucesso. Minha mãe entrou com ele para a Unidade de Tratamento Intensivo para preparar para cirurgia. Há um movimento grande de pacientes, médicos e enfermeiros. Em frente a escada tem uma placa que diz “Serviço do Coração” …

Há um ano atrás estava neste mesmo lugar, esperando o André. Ficamos aqui das 9h as 23h, sentadas,eu e minha mãe, esperando notícias da vida.
No mistério que é esta peregrinação, na qual não sabemos os nossos próximos cinco minutos, sei que, muito embora o André tenha que fazer seu segundo transplante, o fôlego da vida não o abandonou, e nem seu desejo pela sobrevivência.

Os rostos demonstram preocupação.
Nós confiamos em Deus.
Ele está no controle.
_____________________________________________________________________________
_09:45_
Minha mãe saiu da UTI-

veio até mim “Estão colocando a sonda”
“O anestesista está com uma parturiente.”
Minha mãe respira a respiração dele. Disse que a pressão dele subiu. “Claro, mãe, ele está nervoso”
O peito dele está assim; Fez os gestos com as mãos batendo sobre o peito.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
13:40-André subiu para a cirurgia tem 10 minutos.
Passou por nós na maca, os olhos com lágrimas. Minha mãe o acamponhou até o elevador.
Continuei sentada.
Da janela ao meu lado vejo o céu nublado...
Minha mãe foi a delegacia, pois perdeu seus documentos ontem.
Eu vou ficar aqui, possivelmente pelas próximas 10 horas.
-------------
Antes dele subir o médico nos disse que para o transplante acontecer, mais de 30 pessoas em diferentes equipes são mobililizadas. Tudo isso me comove muito.
..........................................
15:11-
pessoas começam a chegar para visitar os pacientes da UTI. Há 1 hora uma pessoa saiu de lá coberta dos pés a cabeça...
...
...
Sinto vontade de orar o Salmo 23.
"O Senhor é o meu pastor, nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos. Guia-me mansamente às águas tranquilas, refrigera minha alma, Guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome. AINDA QUE EU ANDASSE PELO VALE DA SOMBRA DA MORTE, NÃO TEMERIA MAL ALGUM, PORQUE TU ESTAS COMIGO. A tua vara e o teu cajado me consolam, Preparas uma mesa perante mim, na presença dos meus inimigos. Unges a minha cabeça com óleo, e o meu cálice transborda. CERTAMENTE QUE A BONDADE E A MISERICÓRDIA DO SENHOR ESTARÃO COMIGO TODOS OS DIAS, E HABITAREI NA CASA DO sENHOR POR LONGOS DIAS."
Amém.
19:33-
Ainda no hospital.
Temos o silêncio da noite que começa, e as passadas.
Para nosso conforto, um membro da equipe disse que agora começaram a implantar, e que Papai do Céu tá fazendo com carinho.
Ele subiu as 13:30, ainda deve haver algumas horas de cirurgia.
Estamos com fé.

00;23 - Quarta-feira
André ainda não desceu do centro cirúrgico.
Eu e minha mãe estamos aqui no corredor, sentadas, conversando, ouvindo os pingos da chuva entoando canções, brincando de música nos telhados.
Ouvimos palavras de fé e ânimo, durante todo o dia , e agora 00:31 o enfermeiro da UTI avisou que em meia hora, o André desce.
A dedicação dos profissionais que estão com ele desde 13:30, mais de dez horas trabalhando pela vida de um homem. Mais de 30 pessoas - anjos - trabalhando pela vida.
É lindo demais...A vida refeita, a vida frágil, a vida conquistada, a beleza infinita da luta em equipe pela vida.
Emoção que não se escreve, não se descreve.
Sei que cada minuto é um repensar na vida e no que a gente costuma fazer com ela.
Cada segundo que demora a passar é um novo jeito de olhar pra dentro, e rever prioridades.
Na saúde, aonde está o que valorizo?
perguntas, refexões, e ainda, mistério.
----------
01:20
Finalmente, André desceu.
Foi um longo dia.
Ele estava com os olhos abertos, falou baixinho.
Minha mãe foi andando lado a lado com a maca até chegar no CTI
A anestesista desceu, mochila nas costas, sorrindo, falando ao celular. Sorriu pra nós. Disse que ele estava ótimo, que era forte.
Depois desceram 3 médicos, olhos vermelhos, cansados das quase 12 horas de cirurgia, porém serenos, otimistas.
Nós não falamos muita coisa. Acho que balbuciamos um "obrigada" que nem se ouviu.
Como agradecer a pessoas que tem em suas mãos tamanho compromisso.
Deus está no controle. A Ele toda Glória e louvor.
E, que maravilha saber que há pessoas que doam sua vida, no ministério de salvar vidas.
Agora, a fé e a oração permanecem para uma boa recuperação e vida sadia.
Deus abençoe a toda equipe, e que ela e seus filhos tenham saúde perfeita.
Obrigada Senhor, pelo dom da vida.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Wesley - nosso menino

Wesley tinha apenas 11 anos...

...
Wesley era um aluno em uma escola, no meio do mês de julho. Wesley estudava em  um CIEP do Rio de Janeiro. Wesley estava no local certo - em uma escola - na hora certa - hora da escola - em uma cidade errada...

Wesley caiu ferido.
Gritos.
...
Silêncio.

_____________________________________________________________________

E assim, mais uma vida em broto, se foi.Covardemente.

Sou professora. Amo o que faço.
Também já deitei no chão, inúmeras vezes com meus alunos com o barulho do helicoptero, misturado aos tiros, tentando -como li uma amiga do twitter escrever - ser um polvo, pra alcançar todos.

Dói na alma, e sei que toda professora que trabalha em lugares assim, tá sentindo esse aperto no peito, essa voz ao pé do ouvido sussurrando "Poderia ser minha escola, poderia ser meu aluno..."
Vivemos sob um terror disfarçado, andando rápido, olhando pros lados e trabalhando sob um temor que não se descreve, porém acabou de vir a superfície, levando de nós uma criança que segurava um lápis...

Meu filho tem 12 anos.
Não posso sequer imaginar...
Olho pra ele neste momento, dormindo...
A cama de Wesley está vazia e para sempre estará. Não há mais sonhos, nem mais desenhos, ou correria..
Estatística que aumenta.
luto.
luto.
luto.

Toda minha alma grita por justiça, clama pela paz, que a cada dia parece mais difícil de ser encontrada nesta cidade violenta, manchada pelo sangue das vidas ceifadas.

Oro para que Deus Eterno console esta família e dê forças a diretora deste CIEP e a seus professores e comunidade.
Oro por todos amigos professores, para que não percam a fé, pois somos a força que sustenta essa cidade. Nós, ponta, que entramos e permanecemos na comunidade, subindo e descendo os morros meio a tiros, abraçando nossas crianças para protegê-las...  Nós não podemos desistir. Nós temos que lutar por um Brasil mais justo. Isso tem que acabar.

Estou de luto.
Professores do Rio estão de luto.
Que Jesus te embale em seus braços, pequeno Wesley.
 http://bit.ly/cw5UXJ

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Nascimento - Vida - Universo

Ontem nasceu minha irmã Giovanna. Cheguei no hospital quando a Lílian já estava sendo levada para a sala de cirurgia. Ainda deu tempo de pegar a filmadora e sair correndo ao lado pela maca, registrando os sinais de emoção (por que a gente adora os registros...) , Rosi, amiga da família, foi fotografar o parto, enquanto eu e meu pai, tão nervoso quanto manda o figurino, esperávamos no quarto. Nesses momentos, palavras soltas, uma piada, uma certa dose de tensão (normal...), uma conversinha com os vizinhos do outro lado do biombo (é assim que se chama aquela cortina que divide a enfermaria?), e após 30 minutos, não sei 50 minutos... O telefone toca e avisa que Giovanna nasceu e já está no berçario. E então, o mundo gira, pega câmera, pega o celular, não esquece carteira no quarto, "pega o captropil?" perguntei (credo- que pergunta, né?) - perguntei! e saímos correndo de cara com a lavagem do chão em frente ao vidro do berçario.
_ Pai, peraí, não vai escorregar
_ Não, vou devagarinho

_ Peraí, senhor... (dizia a funcionária- deixa eu puxar a água)

Ok, ficamos no meio da poça de espuma, procurando a menina.
-Olha ela ali.
Peladinha, dentro de um vidro, assustada e berrando


E então começam minhas conversas interiores, as vozes que sussurram :
Meu Deus, como é pequena, como está assustada. Saiu de seu mundo seguro, escuro, quentinho, está  há 15 minutos dentro deste universo de barulhos...
Que linda!
Que medo!
Ai Meu Deus, proteja!
* E os pensamentos com o olhar terno se misturam.
E ela, pequena grita neste mundo barulhento cheio de cores, iluminado, de pessoas circulando...
Ela ainda dentro daquele vidro, abrindo os olhinhos, abrindo a boca...
Os bracinhos sacodem, as pernas balançam:
Saudável!

Ficamos ali, babando, olhando, tirando fotos que não davam pra ver direito, dando zoom.
Minha primeira irmã, no meio de três irmãos, juntando agora somos cinco.
Achei bonito a soma, acho um ato de coragem fazer um filho neste mundo tão perigoso, mas achei lindo o número.

Tá certo, não saiu de acordo acom a receita original do bolo: São dois irmãos do meu pai com minha mãe, e estes dois são da Lílian, do segundo casamento de meu pai, mas meus irmãos, família atual, com seus encontros e desencontros, mas que não tira a essência da beleza da vida.

E na verdade, gosto do número.
Aquelas vozes nas minha cabeça, e parece que na cabeça da mulher ao meu lado, falavam a mesma língua:
_dá até vontade de ter mais um...
Dessa vez, as vozes ecoaram.
`É uma mistura de olhos ternos, com vozes ternos em um momento de grande mistério, magia e poder Divino.
........

Quando a Lílian veio na maca, lá fomos nós, registradores das emoções anestésicas, o olhar perdido da mãe, cansada, medicada. Foi para o leito descansar. A pergunta é sempre a mesma?
_ Cadê minha filha?

................
Vozes: Lembrei de mim, com meus vinte e poucos anos . Em minha inexperiência e de meu ex marido resolvemos guardar segredo e só avisar depois que tivesse nascido! Assim foi. Eu fiz um escandâlo (e foi cesárea) gritei, puxei o médico,e lembro que de tão anestesiada mal conseguia segurar o meu pequeno para a primeira mamada.) - Toda mãe em momentos assim ,lembra de seus momentos, não lembra? Chega a dar um pontinha de dor no seio, indicando a hora instintiva e divina da mamada. - A vida chama a vida!
 -----------------------------
Meu pai foi almoçar com a Rosi, enquanto eu ficava pedindo pra Lílian não falar:
_ Quanto pesa?
_Quanto centimentos?
_ O apgar( é assim?)

_Fica quieta, dorme pra quando seu bebe chegar...
Os vizinhos de biombo só diziam:
_ nossa, a menina do berçario chora muito. Deve estar com fome.
_ nossa, ela chora demais!

_________ _ É da minha filha que eles falam? Por que ela tá chorando?

..................

E eis que surge Giovanna no carrinho com a enfermeira.
Toda rosinha, embrulhada em rosa.
A enfermeira orientando a mamãe estimulava os seios, amassava, puxava o bico, massageava. A mãe com dor...
Pronto, chegou a vez da primeira mamada, do primeiro contato, da primeira sucção, do primeiro cara-a-cara do gesto mais lindo que a história nos dá - refletindo-se em todo o universo, no instindo, no alimento, no dar e receber, na vida que brota de nós, e na alegria que só a mulher pode ter. Homem jamais poderá experimentar tal experiência -presente de Deus para nós mulheres de peito ( Eu amamentei 3 anos) - td bem exagerei!rs

E sim, colocou a pequena Giovanna ao lado, "Segura o peito pra não sufocar / coloca o bico dentro da boca dela/ massageia a bochecha pra ensinar ela a sugar!" - ensinava repetidamente a enfermeira. "depois- disse pra mim - pega ela e coloca em posição de arroto e coloca de ladinho pra não sufocar"
"Ai, Meu Deus... " - meus pensamentos...

Na verdade o instinto tomou conta. Não se ensina um bebezinho a procurar o peito de sua mãe. Ela sugava, fazia barulho - acho que não tem barulho mais lindo e apaixonante. - E a gente chega a esquecer que o mundo é mau, que as pessoas traem, que o dinheiro comanda... - e em instantes viramos essência- gente de verdade- criaturas sublimes de Deus.

Meu pai e Rosi chegaram.
Emoção a mais. Mais fotos, mais olhares ternos, mais um pouco da terra parando de girar.

E quando ela parou. chegou a minha vez. Que não passava pra ninguém!
Meu filho tem 12 anos, mas eu sou diretora de Creche!rs - disse aos duvidosos .
_ eu sei pegar um bebê!
Enrolei a pequena e segurei a VIDA.
Pura, pequena, indefesa. Esse contato renova.
Segurei, segurei...

"Se eu tivesse uma filha, mimaria de tanto segurar!" - deixe a voz lá de dentro criar som.

Coloquei no bercinho, a chorona já não chorava mais.
A mãe dormiu.
E a gente continuou lá , palavras soltas, como podemos descrever o universo que é o poder da vida?

terça-feira, 1 de junho de 2010

Não estou assim tão animada para Copa do Mundo 2010

"Somos milhões em ação pra frente Brasil
No meu coração
Todos juntos vamos pra frente Brasil
Salve a seleção!
De repente é aquela corrente pra frente,parece que todo Brasil deu a mão
Todos ligados na mesma emoção,tudo é um só coração" 


Tentem não me julgar quando aqui parecer pessimista...


Perdoe minha insanidade de em plena COPA DO MUNDO (UAL!!!!) eu não estar vibrando!


Ando pelas ruas da cidade, e de repente parece que o Brasil se tornou brasileiro São bandeiras, blusas, bonés, réguas, cadernos, cornetas, saias, biquinis, pulseiras, brincos, esmaltes...Tudo em VERDE e
AMARELO. 
Parece que  o centro do Rio mudou de cor.




Já disse para que me perdoem a loucura de achar estranho que todas as pessoas  queiram enfeitar suas casas e ruas, arrecadando dinheiro e concorrendo às mais belas enfeitadas ruas de VERDE E AMARELO!


Perdoe-me.


Não sei se cresci, amadureci, envelheci ou ACORDEI.


Adorava também enfeitar tudo, como meu filho Vinicius que queria que eu lhe comprasse spray pra pintar o cabelo de verde... Nem sei se dá pra rir... (não comprei!)


A verdade é que não consigo me empolgar com a seleção, nem com a copa, nem com BRASIL CAMPEÃO.


É.. Faz bem ao comércio, vende mais...


vende mais TV, cerveja, todo tipo de apetrechos, mais viagens...


Antes de me me xingarem, alguém tem idéia do motivo pelo qual não consigo me animar com o BRASIL (UAL!) na Copa?


Alguém tem sugestão para tamanha insanidade de postar esta loucura em um blog ? 


VOU RESPONDER...
(não to feliz em digitar isso aqui, mas vou responder, tentar, quem sabe, explicar e compartilhar...)

É porque tem um monte de gente nas filas dos hospitais que não conseguem ser atendidos. São brasileiros!


É porque tem um monte de pessoas idosas que não tem como/onde morrer com dignidade. São brasileiros!


Alguém já precisou , ou conheceu quem precisasse de um hospital público na hora de emergência? Eu conheci.  




Não há uma única vez em meu dia que não vejo no trânsito, sinais, crianças pequenas, magras, drogadas, pés no chão pedindo dinheiro, ou assaltando.


Ontem, uma amiga minha foi abordada na Zona Norte, e o drogado poupou-lhe a vida. Agradecemos! 




Mas, o que dilacera meu coração, é a quantidade absurda de pessoas (acredito que brasileiros), dormindo nas ruas da cidade, principalmente crianças e adolescentes!
 
Chamam-me pessimista, imagino...




Juro que tento não VER jornais e apenas LER, por que as imagens são ainda mais devastadoras.Corrupção, maldade, indignidade, descaso, maus-tratos, pedofilia...Que lista!!!




Nossos representantes (acredito brasileiros), tentam de toda forma roubar o melhor de nós, nossa ESPERANÇA, FÉ, CONFIANÇA.  


Nossos representantes (acho que brasileiros) ferem, rasgam a nossa constituição.


Não quero entrar em uma de "não é comigo", "cada um tem aquilo que merece", "cada um nasce no lar que mereceu", como se todos não estivéssemos conectados ao mesmo Universo.


A criança invisível e ignorada  aqui no trânsito é a mesma brasileira que sequestra o ônibus - ônibus lotado de brasileiros. 


  
Mas de repente o Brasil fica bonito ( ANO ELEITORAL) ah, bobagem, mas não é por isso não...


É Porque tem futebol... (nada contra o esporte, nada contra o futebol, nada contra nossos jogadores...) Estou falando da EUFORIA brasileira e da alegria na miséria...




Desculpe-me grandes torcedores, tenho direito à minha opinião:


Jogadores vão de first class, em hotéis 5 stars para a África e lá jogarão... (tudo bem, meu filho está completando o álbum oficial...)


Os BRASILEIROS  felizes, nos bares, shoppings, festividades, ficarão felizes ao acompanhar pelas grandes TVs, telões  e na hora que o nosso brasileiro representante oficial do que é o Brasil (o país do futebol) marcar um gol, desculpe..GOOOOOLLLL , brasileiros de todos os lugares se abraçarão, pularão, chorarão e terão em seus interiores a sensação de alma lavada. (?????)




Junto com fogos, gritos, cornetas, tiros pro alto, pra baixo, perdidos...


pessimista, eu? 




realista, eu?


Não, acho que nada disso. 
Simplesmente por que acho que nós, BRASILEIROS, merecemos mais que o gol do futebol.
É por que acho que não tem que ser alegria de 4 em 4 anos, e por alguns momentos.


É porque acredito em um POVO que trabalha, acorda cedo, pega onibus lotado, metro, chega tarde, cuida dos filhos, ensina a lição de casa, paga conta de luz, água, telefone, IPTU, IPVA, se der... PLANO DE SÁUDE, e a ALIMENTAÇÃO (cara... cara... Vc vai ao mercado comprar carne? Caríssima!) Esse POVO BRASILEIRO do campo e da cidade, das favelas e condomínios-prisões merecem mais que um grito de GOL. 

Hoje minha amiga me levou camisas verdes, amarelas, azuis... Lindas! Belas blusas, de verdade.


Mas, mesmo sem querer meu coração se entristeceu...
Quero o ORGULHO  de usar a camisa das belas cores do Brasil que eu amo, não só quando ele for jogar. Quero usar meu lenço na cabeça em dias comuns, sabendo-me como cidadã respeitada. 
Quero ver as bandeiras nas ruas, e crianças brincando de pique, peteca nas pracinhas.




Sou apenas uma cidadã BRASILEIRA não tão empolgada com a copa do mundo.


Na verdade, eu estou imensamente preocupada com as eleições que acontecerão este ano, após as surpresas que a copa nos trará.


Nosso novo representante BRASILEIRO, tá chegando por aí...
Qual será a parte dos jornais que as pessoas  mais estão lendo?
O homem que governará nosso país, que estará a frente deste imenso país será escolhido por nós.  


Em junho eu vou ver os jogos do Brasil, vou torcer sim.
Mas... to muito mais preocupada com o outro evento do ano, que nem é tão falado assim: as eleições.


Desculpa aí... Não deu pra segurar a brasileira que anda chorando aqui dentro de mim. 
"Somos milhões em ação pra frente Brasil
No meu coração
Todos juntos vamos pra frente Brasil
Salve a seleção!
De repente é aquela corrente pra frente,parece que todo Brasil deu a mão
Todos ligados na mesma emoção,tudo é um só coração"

quarta-feira, 26 de maio de 2010

criança invisível- abala minha estrutura-revela minha impotência

Não vou dizer nomes.
Os nomes são muitos.
Hoje só foi a voz de uma multidão...

Já faz alguns dias que vejo uma menina descabelada de pé no chão, o corpinho de dois anos sujo como se estivesse rolado na lama, roupinha surrada, segurando-se nas grades do portão da Creche.

A pequena chorava e pedia para entrar. Eu explicava, como se fala pra uma menininha; "Não pode hoje não, tá?, só depois..."
Virou rotina. Pés descalços, sujos, Cabelos muito embaraçados, na pele a certeza que não tomava banho há dias,

Quem é essa menina?
Quem é a mãe dela?

---------------------------------------
Dias depois o boato; "Sabe aquela menina? a mãe largou ela aí com a avó, que já tem 3 netos. Disseram que estão dando ela..."

NÃO, NÃO, NÃO...
CHAMA ESSA VÓ,
PROCURA ESSA VÓ.
VAMOS MATRICULAR ESSA MENINA...
-------------------------------------------------
"A vó não quer vir, Tá com vergonha, A menina não tem registro,nunca foi vacinada, vai fazer 3 anos."
"Tem bicheira na cabeça, bicho branco tá saindo com sangue,"
-----------------------------------------------------
NÃO, NÃO, NÃO
CHAMA ESSA VÓ! CORRE LÁ!
CHAMA ESSA VÓ!!!!!
--------------------------------------------------------
Sob orientação de nossa chefia, matriculamos a menina, demos banho, passamos shampoo, penteamos, colocamos roupas limpas e a menina parecia a mais bela flor do campo. Linda, abracei ela por minutos, enquanto ela aceitava meu colo, aconchegada...
_________________________________________________________________________
TESTEMUNHO DA AVÓ.
Meu filho é usuário. É separado. Tenho 3 netos, 9, 7, 4 anos.Fora essa de 2 anos... Os dois maiores sem escola. A ex nora apareceu, largou a pequena e correu, desaparecendo... trabalho de doméstica, ganho 530,00, meu filho não contribui. Preciso trabalhar, as crianças ficam por conta própria, comem só quando chego. Eu não como, para que eles não passem fome. Não, não quero dar nenhum deles. Não sei ler, não sei escrever, mas quero dignidade pra meus netos, que são meus, eles são meus, eu amo meus netos, mas preciso trabalhar.__________________________________________________________________________

Ligamos para o CRASS, grande pessoa Elenita, que me atendeu com o maior carinho e orientou a avó.
Isso foi hoje, capítulos se seguirão. tenho certeza que com a ajuda de minha Chefia, que é presente e esta sempre pronta a nos ajudar, até o final da semana, tds estarão matriculados...
__________________________________________________________________________________
È preciso segurar o choro. Minha adjunta Ana, não se conteve, virou de costas e começou a chorar.

o choro e o desespero na voz daquela avó se ecoa...

Crianças como a pequena e linda menina estão aos montes, jogadas nas ruas, sem auxílio.

Escrevo porque desabafo a angústia da minha alma, diante da minha impotência.

Eu não consigo,não posso, não quero fechar os meus olhos, e achar que isso é assim mesmo.

Eu sou Professora, Educadora,Mãe, Cidadã brasileira.
Quero que a MÃE GENTIL amamente seus filhos, nascidos neste berço...

Estou agora (22;54) deitada em minha cama, escrevendo neste laptop. meu filho de 12 anos, deitou-se ao meu lado. A respiração dele demonstra bronquite... Eu o cobri, coloquei meias em seus pés. Posso vê-lo com as mãos embaixo do rosto suave...

E aquelas crianças de São Cristovão, Bonsucesso, Central, (Falo das q vejo diariamente), quem coloca meias em seus pés, quem as nebuliza na crise de bronquite, quem as leva leite morno quando o sol nasce, quem lhes dá a janta?
Quem lava seus uniformes, penteia seus cabelos, e lhes sá o beijo de despedida?
Eles cheiram cola de café da manhã, e o crack é o que os alimenta.
Nossas crianças brasileiras, filhas da querida mãe gentil..
E lá vem a copa, e a eleição, e o grito dos mudos, cegos e surdos que berram:
"É CAMPEÃO! BRASIL CAMPEÃO"
E nossas crianças com um buraco no estomago e um abismo no coração...

Não está em nossa CONSTITUIÇÃO o direito a igualdade?
Deus meu, isso me adoece...
Não posso aceitar, não quero aceitar, não vou aceitar o comodismo em fazer nossas crianças de rua, seres invisíveis.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Dias assim acontecem

 Sou otimista, sou positiva, sou forte.
Minha vida não tem espaço para dor.
Mas tem dia que a gente está cansada, e deseja uma vida mais suave, menos complicada.
Gosto da minha vida, amo meu trabalho, minha equipe, minha família.
Hoje queria um repouso...

Queria uma conversa jogada fora, pés descalços, cabelos soltos.
Hoje não queria hora pra dormir, contas pra pensar.
Hoje queria rir, gargalhar.Sentir a vida, não olhar para o lado, nem pra frente, só exisitir!

Sou a pessoa mais bem humorada que conheço, mas tenho aquele meu mundo-segredo, que esconde um bocado de sonho e transecende...

Vamos nessa, não tenho tempo para devagar.

terça-feira, 27 de abril de 2010

INVASÃO

Essa noite acordei de madrugada. Cismei que deixei de trancar uma das portas. Fui correndo ver, sobressaltada! Graças a Deus, fechada., trancada!
Vivemos assim, portas trancadas, algumas com 3 fechaduras numa mesma porta, as vezes, com uma porta de grade de ferro por fora!
As janelas são protegidas, câmeras são instaladas, portões eletrônicos colocados, muros com cercas de arames farpados... Tudo para nossa proteção e de nossa família.

Celulares são fonte de segurança(?), não queremos que nossos filhos saiam sem ele. Eles podem precisar nos ligar...

Entramos numa paranóia, e andamos olhando para os lados, com os vidros fechados (mesmo se não tivermos ar condicionado no carro) pela segurança!

Certa vez, tive minha casa invadida, o marginal ficou no quintal da casa, roubando o rádio do carro, e digo, é uma sensação difícil de ser descrita , vc sente que perde o apoio, a base, o chão, afinal sua casa é seu porto seguro.Deveria ser...

Se não bastasse o medo da invasão das casas, tem a invasão dos  computadores, clonam cartões de crédito, invadem a privacidade de todos os modos.

Deixo a questão...
Que mundo viverão nossos filhos?

Do absurdo da questão social que insere a marginalização em nossa sociedade, até aos grandes sabichões da informática que montam verdadeiras máfias para roubar.

Algo precisa ser feito.

Será que nossos candidatos, andando sob forte segurança, tendo suas casas protegidas pensam em seus projetos, programas, plataformas, ideais sobre como trazer da nossa bvida, cidadãos, uma vida de menor estresse, e mais segurança?
 Será que de dentro de seus carros blindados, refletem sobre os que andam de onibus, de carro, e querem chegar vivos a seus destinos?

Muita calma nessa hora...

É .bom vigiarmos o número que digitaremos na urna.
Compromete-nos sériamente!

Cuidado com a invasão!

sábado, 24 de abril de 2010

O menino do Pijama Listrado /Nossas crianças brasileiras

Ontem, após as 22h, resolvi que veria o filme "O menino do Pijama Listrado". Eu queria ter lido o livro primeiro...
Sozinha, no quarto escuro, apenas com o ventilador ligado, deitei no chão, rodeada de almofadas e comecei a ver o filme...
O filme mostra o olhar inocente de duas crianças face à dor, a perda, a crueldade.
Uma criança era filho de um nazista, a outra, filho de Judeu.
São separadas pela cerca do campo de concentração.
Mas o coração infantil batia do mesmo jeito, com vontade de ter amigos, jogar bola, ser amado e ter paz.
Ele não entendiam o motivo da cerca...
Como enxergar a maldade em um coração de criança?


Não pude deixar de pensar nas crianças da Creche, da Escola, das ruas...
A todo momento, lembrava dos olhares carinhosos de meus alunos, que também enfrentam a violência das comunidades, e levam no coração as indagações sem respostas.
 Toda vez que um pai ou mãe conversam comigo, e contam suas histórias, o nó na garganta se faz, por que bem no meio daquele problema, há uma criança que não sabe, nem pode se defender.
Um sofrimento que está perto, dá pra sentir seu bafo quente em nossa nuca. Não dá pra fingir que não existem muitos meninos de "Pijama listrado" entre nós.

Quem trabalha nas comunidades, ou atende esses pequenos, sabe que digo a verdade.
Fogo que consome...
É o fogo da falta de dignidade, da fome, da ausência familiar, do amor, de um teto...
O fogo da doença, do estupro, do medo, da desonestidade, da violência doméstica...
O fogo da falta de esperança, da entrega desleal à um destino de drogas e vergonha...

...................Quando pegamos um filme sobre o nazismo, já sabemos do sofrimento, porque é história, aconteceu, e ela já foi escrita. Mas eu queria que o final do filme tivesse um final feliz. Queria que os soldados reconhecessem a criança, parassem a matança, e as duas crianças fossem para casa salvas em segurança.
Não aconteceu. Foram queimadas junto com seu povo.
Guerra maldita e insana.
...............................
Estamos no Brasil, em um ano de eleição.
Muitos movimentos políticos em todo lugar.
Será a serviço da nossa nação?
Nossos futuros representantes tem em seus grandes projetos a igualdade social, a justiça, a educação, a saúde?O que os move? Porque desejam nos representar?Porque almejam tão grandes responsabilidades?

Está em nossas mãos, porque somos nós que elegemos nossos representantes.
Hora de ter cuidado para não ser manipulado.
Hora de olhar o passado, os feitos, os projetos, a vida daqueles que se responsabilizarão pela vida de nossos pequenos cidadãos, futuro de nosso país.

Cabe a cada um de nós estar atento, super atento a cada passo que dá os que se candidatam a cuidar da sáude e da Educação das nossas crianças.

Não adianta fechar o vidro filmado do carro, fingir que a criança magra e drogada dos sinais de trânsito não estão ali.

Elas estão ali SIM, dormindo nas calçadas, roubando pessoas, jogando bolinhas pro alto enquanto nos escondemos para não vê-las: Crianças de pijamas listrados- do outro lado da sociedade, do outro lado da cerca: Invisíveis, Marginalizados.

_





_Crianças da Candelária__
Silêncio...


                        Minha alma silenciada pela lembrança da chacina da Calendária, agora brada:

ELAS NÃO TEM QUE MORAR NAS RUAS.
ELAS NÃO PODEM PASSAR FOME.
ELAS PRECISAM DE DIGNIDADE.
CRIANÇAS PRECISAM DE FAMÍLIA.
ELAS NÃO PODEM MAIS CHEIRAR COLA.
CHEGA DE CRACK!

Pelo amor de Deus, elas são as nossas crianças brasileiras, olhando o mundo mal com olhar de quem não entende...Com porquês sem respostas.


CRIANÇAS DE PIJAMAS LISTRADOS NÃO MAIS!

sexta-feira, 23 de abril de 2010

GRITOS - faz mal a vida

Nasci em um lar cristão, no qual vivenciei uma infância e adolescência maravilhosos.
Estudei a bíblia e já a li por mais de 4 vezes, toda.
Era um hábito, ler a bíblia toda na duração do ano.
Meus pais não gritavam, e não tenho lembrança de discussões entre eles.

No entanto, nosso vizinho sempre gritou muito com a esposa. Era impossível não ouvir.
Era difícil não ouvir os choros das crianças e o barulho das coisas quebradas.

Hoje, 20 anos depois pouca coisa mudou para os vizinhos.
Quer dizer, os cabelos já estão brancos, a ambulância vem com mais frequência à sua porta,os filhos casaram e se foram, mas os gritos do homem e o choro da mulher permanecem

E ontem, quando ouvia os gritos roucos de sua voz, e o choro contido desta senhora já idosa, me pergunto porque durante todos esses anos ela suportou tanta violência?
O que move esses corações?
Qual a doença que paraliza a vida desta forma?

Esta vítima,esta mulhet, passa seus dias a olhar pela sua janela uma vida que não passa...
Dói aqui quando o show trágico que ele dá, começa;
fFcho as janelas para diminuir o som da falta de respeito

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Meu irmão Artur Fabiano - saudade de vc

Meu irmão Artur nasceu quando eu tinha 10 anos.
Na época, para uma menina mimada como eu, senti ciúmes de mamãe grávida e todos as características de um irmão ao ver os paparicos do outro que nascerá.
Ele nasceu. O tempo passou. Nos tornamos grandes amigos,
Mas meu irmão resolveu seguir a vida militar, estudou em Guaratinguetá- SP, e formou-se Controlador de TráfegoAéreo.
Casou-se com nossa prima em Minas Gerais- terra linda de nossos pais e hoje vive em Belo Horizonte.
Hoje ele faz aniversário.
A saudade aperta mais.

Sinto falta dele.
Quando ele vem pra cá, ele toca violão pra eu cantar. A gente fala sobre terceiras e quartas dimensões.
Rimos do nada. E a gente troca segredos.

Queria viajar e dar um abraço nele, fazer surpresa.
Amar um irmão assim é lindo e aperta o peito.

Meu irmão, meu querido, tu me faz muita falta!
Parabéns!
Amo vc para toda vida.
Te desejo o melhor, sorte, felicidade, amor, dinheiro, sucesso e paz.
Quero te ver!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Coisas do dia-a-dia

Tenho aprendido muito com a vida, com as pessoas e com os livros que leio, claro.
Mesmo assim, com todo esforço em manter a atenção no meu comportamento, as vezes meu sentimento... ops, vacila!

Hoje falei com ex sogra e atual esposa do ex marido (tantos ex! -ok!) pelo telefone.
Para a sogra liguei, e na sequencia recebi ligação da esposa atual.
Tá, não vou dizer "Adorooooo", seria muita hipocrisia, mas dou meu jeito e a coisa caminha no social e na educação.
Motivo da conversa? PENSÃO !É... É isso mesmo...

Falando assim, me exponho, pode ser que alguém pense...
Mas, na verdade, não me importo, estou em um desabafo, que poderá ser lido por outras pessoas.
A história na verdade é grande, e por ser tarde e eu estar com sono resumirei ; Eu não conseguia falar com o pai do meu filho, dei o recado para a avó, que ligou para a atual, que me ligou.
O próprio autor da situação até a esta hora não se mostrou.
Silêncio...

Acho engraçado que essa é uma cena que jamais imaginei... A vida é um barato, a gente não tem idéia.do futuro. Imagina, eu que já fui tão ciumenta, batendo papo com a atual do ex marido! E olha, q a gente se dá bem!rsrs

Enfim, o que mexeu comigo na hora foi que por momentos lamentei minhas escolhas do passado. Depois, larguei pra lá, e agradeci a Deus por minha saúde, minha casa, meus amigos, famílias e principalmente por meu filho.
Como tantas mulheres, sou guerreira com orgulho. Acordo cedo, trabalho com muita disposição e alegria, sou dona de casa, mãe, e sou dona de um bom humor maravilhoso!
-----------------------------
Essa foi a história do dia de hoje. No final, acabei achando, não sei ... estranhamente engraçado.

Quem diria hein? Ah, dona Rute Albanita, bora pra frente, que tem muita gente finíssima nesta vida. Tem muito sucesso a tua espera, e não vai ser uma brecha do passado q vai te parar!

------------------------------
Eu. me impulsiono e caminho.
Eu e meu filho somos protegidos pelo Altíssimo, e nada há de nos fazer parar .
Eu sou mais que vencedora, pois Cristo assim determinou.

Beijos aos meus leitores. Bora pra frente!
Coragem e fé mudam vidas! Força!!!!

sábado, 10 de abril de 2010

Chuvas no Rio- Tragédia



"Cariocas são bonitos,cariocas são bacanas... cariocas são modernos... cariocas não gostam de dias nublados.." 

Sou carioca da gema, nasci no Hospital Pedro Ernesto , 28 de setembro- Vila Isabel.

Adoro gente, adoro praia, adoro o mar.

Carioca é bem humorado, gosta de rir!


___________ Não tem sido assim nesta semana... Rio de lágrimas...
A chuva nos pegou de surpresa. 
E nós, numa complexidade de fatores, nos vimos no meio de um pesadelo.

Nosso planeta chora, e suas lágrimas desceram até nós.
O planeta não escolhe rico ou pobre.
Ele mostra a consequencia da doença que lhe transmitimos.

Quem ama cuida.
Não cuidamos.
Negligência...

..............................................
PODERIA TER ACONTECIDO COMIGO...

PODERIA TER SIDO COM MEU FILHO... 

PODERIA TER SIDO MEUS PAIS...
.............................................................

FOI COM OUTROS FILHOS, OUTRAS MÃES, OUTROS PAIS...
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

S O L I E D A R I E D A D E

Pessoas perderam a vida.
Os sobreviventes perderam filhos, amigos, netos, pais.

                     Perderam os documentos.
                                        Perderam as fotos.
                                                      Perderam a história.
                                                                             Perderam o plano.
-------------------S O L I E D A R I E D A D E ------------------------------------------------
Procuro não ver as imagens, por que arde, corrói. Mas não é possível fechar os olhos e fingir que não aconteceu. Então leio, me mantenho informada.
É uma tragédia.
Precisamos unir forças para amenizar a dor, e ajudar a reconstruir
.
Sim, refletir sobre nossa maneira de lidar com o planeta.
Sim, pensar melhor nos nossos representantes.
Sim, mostrar a cara, mostrar as garras, e cobrar SIM das autoridades que priorizem sem esquecimento e banho maria as pessoas que precisam.

Não é para isso que temos representantes? Não só para andarem de jatinhos de país em país,
mas também para ajudar o povo que o elegeu como aquele que cuida do povo.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Minha alma está triste.
O planeta não vai parar de chorar, por que as pessoas não param de sacrificá-lo.
Insisto na oração.
E na união das pessoas de bem para que nosso Rio maravilhoso de pessoas maravilhosas seja reconstruído.

Luto.
Música da Adriana  
http://www.youtube.com/watch?v=g8wjuI2joB8

domingo, 4 de abril de 2010

O avô de Mônica

A beleza da vida encontra-se no olhar de cada um.

Uma mesma situação pode ser olhada e sentida de diferentes formas.

Eu vejo a história que vou contar de uma maneira linda, embora possa causar dor.
Monica, querida amiga e companheira de trabalho foi com toda a família a Minas Gerais ao aniversário do avo que completaria 90 anos.
Ele desejou aque todos estivessem presentes e pediu que fossem a sua festa.
E assim aconteceu.
Muitas crianças,netos, bisnetos, tios, primas, a grande família reunida em torno daquele senhor que pode ver sua posteridade, sua herança a seu lado, e sua alegria era tanta que podia ser tocada.

Aquele simpático senhor dançou, cantou, conversou, abraçou, beijou e riu.
Os netos, bisnetos, tios, primos, irmãos, amigos, aquela bagunça do reencontro de família fazia repensar, e fazia todos crerem que a vida realmente fazia sentido, que valia a pena cultivar os laços, e que ter uma família é a melhor coisa deste mundo!

Chegar aos noventa e ver as arvores frondosas, das sementes plantadas...
Sexta, sábado, domingo de festa, união e alegria.
Na hora da despedida, o abraço apertado, o olhar saudoso, o beijo que nem quer dar...
mas o mundo da correria da sobrevivência continuava, e segunda-feira cada um precisava estar de volta a sua cidade, para o trabalho nosso de cada dia.
E assim foi.
Na noite de segunda-feira o telefone tocou.
Vovô estava no CTI.
na noite de terça-feira o telefone tocou.
Vovô faleceu.

Quando digo a Mônica chorosa e saudosa de seu querido avô, que a história tem beleza, e que meu olhar assim enxerga. A vida deu de presente uma festa de despedida na presença de pessoas amadas e com certeza repleta de grandes lições.
Ele chegou aos noventa anos amado, e pode ver seus netos e bisnetos não em uma cama de hospital, mas no ritmo do samba e do funk, de óculos escuros e mente saudável. Dando um banho de bom humor.

Não fica triste não... Vovô tá alegre, vivendo a eternidade em ritmo de alegria.
Vamos torcer para que nós também possamos criar laços assim para que ao final dos nossos dias, tenhamos ao lado netos, bisnetos, amigos. Que maneira mais bela de deixar este mundo.
Quantos nos hospitais nem tem visitas?
Vamos então aplicar as leis do amor, da alegria, dos laços familiares e mais tarde colher os frutos.
Vamos ser felizes, como vovô foi.

quinta-feira, 25 de março de 2010

outono/primavera

Tenho muita poesia, história, diários escritos por mim desde que aprendi a escrever.
Gosto da coisa, da palavra, de brincar com elas, de procurar definir em frases meus sentimentos.
Revelar-se na escrita é dom.
Sei que é.
Só que vivi muitos anos descrevendo conflitos, e era sempre outono.
Gosto do Outono, só que em minhas linhas, não chegava nem verão, nem primavera. No entanto certas épocas o inverno era intenso...O frio congelava...

Hoje, relendo minha história, revivo por instantes a dor que passei.
Não dói mais. Estou mesmo curada, Contudo, sei das experiências que me transformaram em uma verdadeira mulher.

A dor não me fez perder o amor, pelo contrário, me amo mais, me valorizo e assim sou capaz de ter e manter melhores relacionamentos de amizade  e companheirismo. Consigo entender melhor a mim e ao outro.

Sempre fui bem humorada, mas nem sempre havia sorriso na alma.
As vezes achava que nem mais tinha alma.
Hoje me sinto completa, pois meu sorriso vem do coração.

Valorizo imensamente o ambiente em que estou, e se ele não me faz bem, não fico.
Se a pessoa a meu lado reclama, me afasto.
Preservo meu coração, meus pensamentos  e vigio minha aceitação às sugestões.
Não sou mais influenciável.
Sei o que quero.
Reconheço meus limites.
Reconheço que tenho muitos defeitos, um montão!!!!
Mas me amo, com esse montão de defeitos.
Estou fazendo metas , e nelas enfrento meus desafios.
Entrei na auto escola, pq antes tinha medo.
Estou tratando dos dentes, também tinha pavor.
Vou publicar minha história de outono...
Ah, eu me arrisco! Arriscar-se e aventurar-se na vida, tentar e retentar... Como vale!
Se der errado, retome, se cair, levanta, se machucar, passe remédio.
A vida é curta para ficar só planejando. Boraaaa!!!
Aos poucos, vou rompendo as barreiras impostas por mim mesma.

Sei que mereço paz, prosperidade, amizade e amor.
Sei que esse meu tempo de paz, é como a primavera!
outono e inverno até passam, mas sempre dão lugar a primavera, e ao verão!
Quanto sol em minha vida!
Obrigada, meu Deus.

sábado, 20 de março de 2010

Sábado de paz.

Acabo escrevendo muito sobre paz, amor, harmonia... Tudo muito zen, para algumas pessoas. Mas eu sei do que estou falando, conheci o outro lado, de bad side...
E quando se conhece a tormenta, a paz tem um sabor refrescante.
Meu final de semana há dois anos é sempre assim: Gostoso, tranquilo, com leituras, filmes as vezes, arrumando o que não fiz no meio da semana...
Parece meio paradão, mas dentro de mim existe uma quietude, plenitude...

Hoje o dia está sendo uma delícia. pensei que ía ficar na cama lendo, tuitando, vendo um DVD... Mas comecei a arrumar um livrinho, colocar uma coisinha aqui, outra ali, quando me dei conta, todo meu ármario estava em cima da cama. Não dava nem pra desistir. Então separei as bijouterias, pulseira com pulseira, cordão com cordão, depois a maquiagem, as coisitas de fazer unha, roupa... Nossa! Agitado, mas no coração...Paz.

Meu filho Vinicius, 12 anos, resolveu que o trabalho do grupo escolar seria aqui. Adoro qd isso acontece, pois na maioria das vezes  ele fica sozinho em casa. Sabia que o trabalho seria a parte mais curta da história , pois a intenção deles era mesmo brincar. Tudo bem, gosto de ver essas risadas exageradas em volta da casa, gritam, correm, me chamam. Tem coisa melhor que isso no mundo? Não tem.

Se existe uma cena que todo meu corpo e alma brindam é ver meu filho correr. Não tem preço!!!
Enquanto escrevia o parágrafo anterior, fiz uma pausa e liguei para pizzaria. Adolescentes adoram!!!

Enfim, saí um pouco do sábado que pensei, mas está sendo ótimo, e cheio de paz.
Não troco, não vendo, não negocio.
Essa minha paz ninguém leva mais.

bom sábado nublado a todos!

quinta-feira, 4 de março de 2010

beleza do ser humano - fragilidade ...

É pra ser honesta? Serei.
Desde pequena tenho medo de ir ao dentista. Nunca havia sofrido realmente nas mãos desses anjos, mas coloquei isso na minha cabeça e insisti como verdade.
Vocês sabem o que significa procrastinar?

Bem, eu procrastinei.
Procarastinar= adiar, sem nenhuma vontade de executar, nem intenção... mas sabe que deve...
Eu procrastinei a ida ao dentista. Preço, longe, caro, chato, estranho...Tudo.

Enquanto isso a dor vinha , mas ía...
Quando vinha procrastinava... Eu vou!
Passava, desistia.

Mas, como tudo que não se resolve perpetua e eu não tive espíritos dentistas vindo a noite, a coisa piorou de vez. E eu sofri terrivelmente três, TRÊS noites seguidas. Esperei passar, esperei passar, e dessa vez não passou. Estive de frente com minha dor em um espelho condenável. Negligência.Só e exclusiva , minha conduta trouxe dor.

Fui ao dentista levada por uma amiga. E lá tive contato com a mais doce profissional. Anjo, que Deus tão misericordioso colocou na minha vida.
Acho que só pode me compreender quem já sentiu esta dor de dente...
Pra ser mais honesta ainda... Na noite em que virei acordada sem piscar o olho de tanta dor, tomei tds os analgésicos da casa, buchechei c/ td, procurei na internet, td ao meu alcance... Não cuidei, tive que enfrentar na dor.
Voltando ao meu anjo particular Francine, ela me tratou durante uma hora e meia com tanta paciência (não merecida) e tanto cuidado que me emocionava...
Enquanto ela fazia os procedimentos de emergência, no meio de tantas agulhadas, ela atendeu seu telefone e contou a alguém que havia perdido seu bebê de quase quatro meses (gravidez), e que o bebê já estava s/ batimento há muitos dias... Era recente...
Ela disse "Papai do Céu sabe tudo, Ele cuida de mim, sei que fez o melhor..."
Ainda assim, massageava meu queixo, cantava junto com o rádio, dizia que eu era forte, que me entendia.
Eu pedi a mão da assistente, doía muito pq estava ultra mega inflamado (palavras da dentista) e a anestesia demorava a pegar.
Segurei, quase arranquei a mão da assistente, pedia desculpa, e elas ali, entendendo a fragilidade daquele momento, 3 noites sem dormir, pálida de dor, por minha própria e única culpa.
Estava frágil, e ela soube entender. Eu estava errada, mas ela não culpou, estava com dor, ela medicou, parou, massageou, cantou. Foi muito além do que tinha que fazer, foi além da profissão, atingiu mais que o estudo próprio da odontologia, ela entendeu minha dor e cuidou como doutora, como ser humano, como gente que entende gente.
Agradeço a Deus por pessoas que vão além, que fazem um mais, que sabem que somos humanos, que erramos, acertamos, recuamos, avançamos, e que de um jeito ou de outro todos temos nossas neuroses e fragilidades.
Aprendi muitas liçoes ontem, enquanto todo meu corpo cansado se contorcia de dor.
Aprendi que não se procrastina nada, se encara, pois senão vc vai encontrar com essa demora diante de uma imagem horrorosamente refletida no espelho.
Aprendi que se deve ir ao dentista regularmente, e q a saúde começa na boca.
Aprendii que amigos nos levam ao dentista qd não temos força nem pra pegar um táxi.
Aprendi que não se julga, ou condena o outro em seu erro. Todos erramos, e já basta nossa consciência e todas as consequências do nosso erro.
Aprendi que se deve ir além do que devemos em nossa profissão.
Aprendi que se fala com carinho com um pessoa com dor, pois isso alivia.
Aprendi que usar o diminutivo em certos momentos tem um efeito anestésico maravilhoso.
Aprendi que tem horas que segurar mãos (mesmo de um desconhecido) tem valor imensurável.
Aprendi que devemos dar as mãos para um desconhecido e deixar que ele as segure, se isto lhe trouxer conforto.
Aprendi que tem gente maravilhosa em todos os lugares, e que eu quero ser essa pessoa maravilhosa também.

Obrigada Deus pela Francine, sua assistente, e por todas as liçoes de ontem.
Hoje quando a vi, rimos. Ela disse: 'Nossa, que parto ontem."
Bom, tenho ainda dezenas de idas ao dentista, pelos anos procrastinados.
Muita coisa mesmo ainda pra fazer, muita coisa mesmo, não quero citar.
Mas eu vou.
Não quero mais passar noite acordada não com dor.
tem coisas que só a gente pode fazer. Cuidar da nossa saúde é uma delas, senão uma das mais, ou a mais importante.
Enfim...
Boa noite... Sem dor...

sábado, 27 de fevereiro de 2010

semana

Semana de reflexões, fotos, filosofias.
Não sei até que ponto isso me fez bem, se é que fez, nem sei...

Poderia optar por não me envolver emocionalmente, mas quando é sangue seu, mexe na alma.
Todos tenos escolhas.
Entre uma e outra coisa sempre.

não posso detalhar fatos, mas me questionei muito sobre respeito, amor, interesses, afeto, casamento, amizade, família.

Continuo afirmando: a vida não é rascunho.
O tempo passa, voa e não dá pra apagar e refazer.

A vida se esgota.
Precisamos pensar em nossas escolhas.
Errar é um risco, sempre.
e sempre é tempo de retentar, se não foi lá essas coisas a escolha pensada acertada.

Ainda to refletindo família e amizade.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

mãe x =? professora

Sou mãe. Sou Professora. Sou diretora.
.
Saio cedo para o trabalho. Amo meu trabalho. Mesmo.

Amo meu filho, é meu sangue, minha inspiração.

Gostaria de lhe dar mais tempo, ver seus filmes, estudar mais com ele...

Porém, as responsabilidades das contas, plano de saúde, luz, água, gás, escola, lazer, telefone, e as úteis modernidades; internet, celular, tv a cabo, pessoa pra tomar conta...

Não se pode pensar tanto, tem que prosseguir.

Tenho orgulho da minha garra, e culpa da minha ausência, e saudade do meu filho.

Saudade do tempo que não voltará, das curiosidades que jamais saberei das perguntas que os outros terão respostas...

E então fragilizo, choro, por que na verdade,mostrando a cara e arregaçando o coração não foi bem assim que sonhei.


Isso tudo faz de mim, pessoa mais humana na minha profissão, no meu entendimento das dificuldades das outras pessoas.

Quando minha mãe diz que vai viajar, eu quase morro. Quem vai ficar com meu filho?
Quem vai busacr na escola? Quem vai fazer a comida?
Surto. Assim foi nesta semana.

E para ajudar, já tinha visto um trabalho pra fazer até as 22hs para ajudar em minhas despesas.
Não deu pra voltar  na minha decisão. Não reclamo, desabafo.

Sei que as coisas vão melhorar, e tudo tem seu  ônus e bonus.
Sou apaixonada pelo meu trabalho com as crianças, tenho uma equipe de trabalho excelente e tenho um filho que me aguarda .

Ontem cheguei as 22h, ele já tava dormindo, no sofá da sala, ao lado da porta,
Cortou meu coração...
Não consigo mais levá-lo no colo, Já tem 12.
 Arrastei até a cama, deitei com ele e abracei.

Hoje de manhã ele  não lembrava como foi parar na cama,

É um dia de chuva...

To trabalhando, ele tá na escola.
Graças a Deus, minha mãe voltou de viagem.

Sei que lá na frente ele vai entender melhor, mas sou mãe e fico com saudade...

Sei que eu e meu filho, somos e continuaremos grandes amigos.


Bom dia de trabalho, força, garra e disposição a todas as mães, professoras e mulheres.

Eu sei que eu consigo, sei que posso, sei todo meu esforço valerá muito a pena.
Eu sei que hoje o meu dia, apesar da saudade, será MARAVILHOSO!
BOLA PRA FRENTE!! VAMOS QUE VAMOS!!!

AMÉM.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Arrumando os arquivos e vendo fotos, guardando fitas cassetes em caixas, jogando lixo "importante" no saco, vendo as capas "famosas" dos nossos grandes cantores, recuso-me a não refletir...

Tudo foi um dia muito importante e se fez história.
Arquivos que hoje viram lixo, foram relíquias invejadas e compradas por alto preço.
Dos famosos, tornam-se valores, vão para museus...

Dos nossos avós, pais, nossos escritos, poesias, lembranças  ficam nas caixinhas até que alguém que arrume, não veja nelas importância e lhe dão o destino da lixeira.

Minha mãe me deu a caixinha dela, dos guardados de minha avó Amélia, que nem conheci.  Tinha carta dela para meu avô, com palavras de beleza e carinho que nem se escrevem mais nos dias de hoje.

Me deu também as cartas e fotos do casamento dela e do meu pai que não existe mais, porém durou 30 anos, e claro teve suas belas histórias e cartas e fotos.

Tenho os meus valores pessoais, que guardo desde que me entendo por gente, cartinhas de amigas, cartões de namorados, e um monte das minhas relíquias, minhas misturadas a da minha família.

Fotos em preto e branco, amareladas, minha história, história que não  vai pro museu, mas espero que seja guardada com carinho por uma neta ,quem sabe...

Estou no meio de uma papelada, de fotos e arquivos...
Não sei se olho, choro ou admiro.
Parei e postei aqui meus pensamentos nesta hora de boa solidão.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

pós carnaval

Quinta-feira após carnaval.
Muitos planos para o trabalho, para o ano, para  a vida.

Sou uma mulher otimista, bem humorada, risonha.
Adoro meu trabalho, mas confesso que quero me envolver ainda mais na Educação.
Sou separada, tenho um filho de doze anos.
Luto pela minha vida e do meu filho com honra, orgulho e disposição, de ser mãe, de ser mulher, de persistir, de conseguir.

Tenho meu lado "música romântica", mas prefiro não ouvir.
Desperta sentimentos e uma nostalgia que ainda estou aprendendo a superar.

Hoje eu estou cansada fisicamente. Fui a praia tds os dias de carnaval, e foi maravilhoso mergulhar.
Eu tava com saudade do mar, da sua água gelada, do sal em minha boca, da sensação formidável de tentar em vão rasgar as ondas.
Mergulhar faz a gente se sentir inteira, viva.
Sou intensa.

Hoje, não sei se pelo cansaço físico, ou por uma lembrança me encontro um pouco silenciosa.
Alguns momentos o silêncio traz respostas.
Sei que Deus me ajudará a entender esse meu dia diferente.

Não é que esteja triste, mas reconheço que minha alma já esteve mais exuberante!

Aos meus seguidores e leitores, deixo meu amor, que transcede formas e estereótipos.
Aos meus amigos, deixo sempre a lembrança do meu sorriso...
E que nos encontremos muitas vezes para rir, se for o caso, para chorar, mas que sempre estejamos juntos.

dedilhando o teclado simplesmente surgiu...

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

meu feriado- carnaval

Se eu disser que planejei o feriado, minto.
Meu namorado viajou com a família e meu filho está com minha mãe no Congresso da igreja.
Imaginei que iria a praia enquanto estivesse só.
Mas a amiga Rosi me convidou pra ficar com ela. Vim.

Já faz uns anos que não venho aqui, e o belo é saber que nenhum sentimento mudou.
Amanda e Rafa cresceram, Rosi tá + bonita e nossa amizade continua intacta.
Sou abençoada por ter gente tão amiga em minha vida.

 Nós nos amamos pq amamos.
A gente sabe dos defeitos, fica de mau humor sem fazer fita, ri, e não liga de acordar despenteada.
Abre a geladeira, reclama do tempero, dorme na mesma cama.

Aluga no telefone, chora, ri, xinga e fala palavrão.

Acorda as 3 da manhã, chama a amiga, diz que quer companhia.
E então a olho e vejo que sou feliz, que amo e sou amada e que isso dá um sabor delicioso na vida.
Nada se compara a essa tranquilidade, bem estar e alegria.


to na varanda da casa da rose, acabei de acordar ela pra me fazer 1 lanche são 3 da madruga. Ela me xingou, esquentou a comida, comeu tb, e voltamos pro quarto. Ela dormiu . Eu vim agradecer e registrar.
Obrigada, meu Deus, pelas amigas que me deu.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

correria, pressa, desespero. Pra quê?

As pessoas estão sempre correndo, aflitas, nervosas.
Vale a pena?
Certamente não.
Como disse Ana Paula ontem, após deixar o cemitério." Pra onde vão as mágoas? Do que adianta brigar? Não é melhor o sorriso?"

Hoje no metrô, ao voltar para casa, as pessoas estavam com tanta pressa e desespero que não viram que eu estava tentando atravessar duas pessoas c/ deficiência visual e auditiva para fora do trem. E saem atropelando...Sem respeito, sem educação.
Para que pressa, se quando  o mistério da morte nos saúda, não podemos levar conosco um brinco sequer?
Reflexão, reflexão...

Para que as ofensas, e as brigas?
Se não gosto, me afasto.
Se me faz mal, evito.

Respeito ao próximo faz falta hoje em dia...
As pessoas vivem em bolhas.
Cadê o " Bom dia", "Boa noite"?

Um desabafo.

sábado, 30 de janeiro de 2010

Para minhas amigas- reflexões sobre saudade e vida

É quase manhã.O relógio marca 4:45.
 Tive um pesadelo no meio da madrugada. Liguei a TV e vi O Gladiador. Considero que não é o melhor filme para se ver após um pesadelo, mas destraiu-me um pouco, um pouco, do mau sonho...

Não vou contar aqui o que  meu subconsciente trouxe ao mistério do sono, mas vou falar sobre o que tem tocado a minha alma... No silêncio da noite posso aqui, dedilhar as teclas e revelar algumas páginas do meu livro interior.

Durmo triste há dois dias pois perdi a oportunidade de estar com duas amigas que não vejo há anos. Revi Késia no enterro do Joel, e foi uma cena que jamais esquecerei...
Enfim, passei muito mal anteontem, no dia que as poderia ter visto, mas minha justificativa não encontra perdão em mim mesma. Parece exagero, quando o leitor passa os olhos nesta frase. Como eu disse a meu namorado:" Você não poderia compreender..."
A amizade construída entre nós, tem uma raiz profunda. Não há tempo, nem distância que a isso possa destruir. Mas tem a saudade, melancólica como o outono...Uma bela paisagem, porém triste. Sabemos que virá a primavera , mas enquanto outono... Outono...

Minha infância e suas alegrias são responsáveis pelo que sou hoje, e esta história foi tecida com fios de ouro e mãos de fada. Fui a "Tuti" da Neilda, o "Café-com-leite" nas brincadeiras,  e a eterna romântica escritora que obrigava os amigos a ouvirem suas inúmeras poesias. Varando a madrugada, com risos cochichados, nossos quartos se enchiam da mais pura essência do ser: O amor e a amizade, destituídas de qualquer interesse.
Real. Absoluta.

Tenho fotos espalhadas pela casa.  O sorriso e os sonhos de uma vida estampados nos nossos olhos. Estivemos unidas em nossos sonhos, Compartilhamos as emoções de nossas paixões e amores "ditos" impossíveis. Vivenciamos as alegrias dos primeiros beijos e das lágrimas adolescentes dos nossos corações partidos... E era tudo tão mágico!!!!

E então, optamos , ou não, por crescer e tornarmos adultas. Com as responsabilidades,  vieram as decepções impostas por quem  se arrisca, e como não dizer das dores não planejadas.
Hoje lamento, que não tenha estado junto de minhas amigas quando precisaram, e sei que das dores que passei, muitas seriam amenizadas com a presença  delas...
Sei que cada uma de nós, passou por experiências difíceis, coisas que jamais pensávamos cogitar quando sonhávamos acordadas em nossos delírios de meninas.

Amigas, perdoe a minha ausência.
Amigas, desejei o vosso colo...

........... Tudo em minhas palavras tem hoje, uma expressão mais forte, e o significado do que escrevi se justifica na mudança que se fez em mim, após o falecimento de meu amigo.
Assim, como em minha mais tenra e bela juventude, recheada de contos de fada não medi, nem cogitei os dissabores das desilusões que qualquer ser humano passa, também não previ a realidade fria da separação definitiva entre corpo e espírito: Morte.

Com tanta vida e juventude não houve tempo para pensar nela. De certa forma, com pensamento consciente e sóbrio, consigo ser grata pois só ter sido apresentada a ela, com 33 anos. Muitas pessoas a conhecem até mesmo nos primeiros anos de vida e sofrem perdas irreparáveis (a perda de pais).

Inevitavelmente, um dia ela veio. Não tem nem um mês. E mesmo tendo em meu coração a consolação do Espírito Santo de que nosso amigo está em paz, nos braços do pai... aqui fica a ausência presente.

Muito se aprende.Muito a aprender.
Muito a lembrar. Muito a esquecer.
Muito a reconsiderar, muito a perdoar.
Ainda muito a viver e a sonhar.

A vida é bela, com seus encantos e desasossegos. E nos desencantos o ombro amigo faz a gente rir.
Com amigos a vida resignifica e reage.
Com amigos, gargalhamos das desilusões e encontramos formas doces para amenizar.

Por isso lamento , não ter consiguido ir ver vocês na quinta-feira.

No meio dessa correria da vida, da luta por uma trajetória digna, nos dilemas das impetuosas inesperadas surpresas, que nos obriga a sérias tomadass de decisão, e nos desgasta... Amigas, vocês são um oásis no deserto.

Ouvi este mês, da minha amiga, que não citarei por não ter permissão: " A vida tem cheiro. As pessoas tem cheiro."

Quero aguçar meu olfato, e me permitir sentir mais os cheiros da vida, o perfume singular de cada amigo.

Amigas, desejo estar com vocês, sentir, ouvir, rir, cheirar.

Amo muito vocês.
De sua  eterna "Tuti"