terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Arrumando os arquivos e vendo fotos, guardando fitas cassetes em caixas, jogando lixo "importante" no saco, vendo as capas "famosas" dos nossos grandes cantores, recuso-me a não refletir...

Tudo foi um dia muito importante e se fez história.
Arquivos que hoje viram lixo, foram relíquias invejadas e compradas por alto preço.
Dos famosos, tornam-se valores, vão para museus...

Dos nossos avós, pais, nossos escritos, poesias, lembranças  ficam nas caixinhas até que alguém que arrume, não veja nelas importância e lhe dão o destino da lixeira.

Minha mãe me deu a caixinha dela, dos guardados de minha avó Amélia, que nem conheci.  Tinha carta dela para meu avô, com palavras de beleza e carinho que nem se escrevem mais nos dias de hoje.

Me deu também as cartas e fotos do casamento dela e do meu pai que não existe mais, porém durou 30 anos, e claro teve suas belas histórias e cartas e fotos.

Tenho os meus valores pessoais, que guardo desde que me entendo por gente, cartinhas de amigas, cartões de namorados, e um monte das minhas relíquias, minhas misturadas a da minha família.

Fotos em preto e branco, amareladas, minha história, história que não  vai pro museu, mas espero que seja guardada com carinho por uma neta ,quem sabe...

Estou no meio de uma papelada, de fotos e arquivos...
Não sei se olho, choro ou admiro.
Parei e postei aqui meus pensamentos nesta hora de boa solidão.

Um comentário:

Ariano, é FOGO disse...

Deixa só o seu patrão te pegar postando!!rs
Te amo !!!
Trabalha direitinho!!!
Coisa antigas sempre nos lança ao passado!!!
Sempre!!